segunda-feira, 9 de julho de 2012

Igreja Mundial em expansão é seita? Ensinamentos e práticas preocupam líderes evangélicos


Igreja Mundial em expansão é seita? Ensinamentos e práticas preocupam líderes evangélicos

PorAmanda Gigliotti | Repórter do The Christian Post

No censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 2010 divulgado na última sexta-feira, a Igreja Mundial do Poder de Deus (IMPD) foi uma das igrejas apontadas como de grande expansão no Brasil, com 135 mil fiéis e também ultrapassando as fronteiras, estando presente em 18 países.




Apesar da grande expansão, líderes religiosos e fiéis se preocupam quanto aos ensinamentos e práticas da igreja. No conceito de alguns líderes de algumas das principais denominações históricas e pentecostais, a Igreja Mundial pode ser considerada seita ou que pelo menos próxima dessa classificação.
A Igreja Presbiteriana já considerou em seu Supremo Concílio a (IMPD) uma seita, assim como considerou também a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).
Em entrevista ao The Christian Post, o rev. AugustusNicodemus, pastor presbiteriano, afirmou a IMPD está enquadrada em uma linha próxima a das seitas. Segundo ele, tal linha tem como mensagem central ateologia da prosperidade, apesar de concordar com a divindade de Jesus, a autoridade das Escrituras e a Trindade.
Dentro da teologia da prosperidade eles tomam um aspecto do Cristianismo que é a “promessa de Deus de abençoar os que confiam nEle inclusive com bênçãos materiais” e tornam este aspecto como um ponto de partida para uma releitura completa do Evangelho, explica ele.
“Ao final, o que você tem não é o Evangelho puro e simples das Escrituras, ensinado por Jesus e pelos apóstolos, mas uma religião voltada para a solução dos problemas imediatos das pessoas e que relega a plano secundário – quando não esquece totalmente – aquilo que é central no Cristianismo: a reconciliação com Deus, de ricos e pobres, mediante o arrependimento dos pecados e fé na obra completa de Jesus Cristo”, afirmou Nicodemus ao CP.









Além disso, o teólogo e pastor presbiteriano apontou para a ausência de discipulado, atendimento pastoral e acompanhamento da vida dos membros nessa igreja, “girando tudo em torno dos templos, na arrecadação financeira e nas promessas de prosperidade”.
“Portanto, igrejas desta linha estão mais próximas das seitas do que de igrejas protestantes.”
Já para o apologista Jonnhy Bernardo, fundador e pesquisador do Instituto de Pesquisas Religiosas (INPR), ainda é cedo para rotular a IMPD como seita ou herética, mas confirma que a igreja segue práticas e crenças que fogem ao Protestantismo.
“A IMPD, até o presente momento, segue por um caminho próprio. É um movimento protestante no sentido de que professa elementos básicos do Protestantismo, mas não segue fielmente características peculiares do Protestantismo - há forte ênfase em cura, exorcismos, teologia de prosperidade, distorções na cobrança de dízimos e ofertas etc.”
Jonnhy também aponta para a ausência de discipulado bíblico e diz que as pessoas que recorrem às reuniões da IMPD estão em busca de cura e soluções de problemas sociais, sem um real compromisso com o Evangelho.
Consequências
Para o líder presbiteriano, as consequências de muitos seguirem tal doutrina é a produção de uma grande quantidade de desigrejados, uma “multidão de pessoas desiludidas com o Cristianismo protestante”.
O reverendo apontou que a pesquisa do IBGE sobre religiões mostrou que o número de pessoas que se dizem protestantes mas que não mais frequentam igrejas passou de 4% do total de evangélicos para 14% nos últimos anos.
“A grande maioria deste contingente é oriundo destas igrejas de ‘prosperidade’. Elas terão muita dificuldade em retornar a igrejas evangélicas em vista da primeira experiência fracassada.”
Modismos, utilização de pontos de contato, são também problemas graves que o apologista Jonnhy aponta. Segundo ele, isso pode ter um grande impacto nos crentes ou na população em geral, sendo passíveis de confusão no discernimento do que é bíblico do que é “modismo pentecostal” (ou neopentecostal).
Eles aconselha que aqueles que decidem seguir a Jesus, que busquem uma igreja evangélica pura, ou seja, livre de modismos típicos de igrejas neopentecostais ou mesmo de algumas igrejas "pentecostais” ou “onde o interesse da liderança é com sua vida, seu relacionamento com Deus e não com seu talão de cheques.”

















Nenhum comentário:

Postar um comentário

VOCÊ GANHOU!