quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Um Alerta Para Todos os Católicos Romanos: A Falácia do Purgatório

A Falácia do Purgatório-(Jô-17.17; 1Jo-1.7a9).Mary Schultze


No site www.ianpaisley.org, colhemos ontem algumas informações interessantes sobre o purgatório, entregues pelo pastor presbiteriano, Dr. Ian Paisley, membro do Parlamento Europeu.



Ao escrever a sua encíclica Humani Generis , em 1950, Pio XII ratificou a afirmação de que o legítimo intérprete da Igreja não é o Espírito Santo, mas o Magistério do Vaticano:


Junto com as fontes sagradas (Escritura e Tradição), Deus tem dado à sua Igreja um magistério vivo, a fim de esclarecer e explicar os assuntos contidos no depósito da fé, de maneira, por assim dizer, obscura e implícita”. [Aqui Pio XII, o mentor e apoiador de Adolf Hitler, chama o Espírito Santo de incompetente].


Desse modo, o papa se tornou um oráculo onicompetente de Deus. Essa substituição da Escritura e do Espírito Santo [pelo Magistério da ICR] o papa JP2 tem admirado até demais no seu [infalivelmente falecido] confrade.


Tendo em vista que vivemos no século XXI, no qual existe toda possibilidade de luta e demanda por evidência em prol da Verdade, em todos os aspetos da vida e atividade das pessoas, é muito triste observar que tanta gente se sinta feliz em incorporar à sua vida todos os tipos de mitos e mentiras religiosas, perpetuando-os, em vez de submetê-los, de antemão, à Verdade (Jô-17.17).


Certamente a aceitação do erro não nos conduz ao PURGATÓRIO e muito menos ao CÉU. Ela nos leva diretamente à destruição eterna, isto é, ao INFERNO! [A ignorância da Verdade não servirá como desculpa a pessoa alguma, depois que se tornou tão fácil conseguir uma Bíblia].


Ao verdadeiro crente João ensina: Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça” - (1Jo-1.7a9).


Amigos católicos, o que significam estas palavras?


Elas querem dizer, claramente, que não são alguns ou poucos pecados que nos são perdoados através do sacrifício vicário de Cristo na cruz. Elas querem dizer que nenhum pecado – nenhum mesmo – é deixado, a fim de ser queimado no PURGATÓRIO, através de mérito humano. [O sangue de Cristo não é fraco ou contaminado, para deixar escapar qualquer impureza espiritual. Ele é onicompetente, isto sim, para lavar, purificar e regenerar o pecador de todos os pecados cometidos].


Em Ap-14.13, lemos o seguinte: “E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os seguem”.


[As obras que seguem os que morrem no Senhor serão consideradas para efeito de galardão e jamais de salvação, pois Ele já nos deu a salvação eterna através do seu sacrifício perfeito na cruz].

Loraine Boettner escreve em seu livro “Catolicismo Romano”, p. 180:


Se qualquer um de nós tivesse realmente o poder de soltar as almas do purgatório e se recusasse a exercer esse poder, exceto em troca de pagamento, em dinheiro, seria considerado cruel e anticristão – o que realmente seria. Por todos os padrões cristãos esse [e um serviço que a igreja deveria prestar de graça e de livre vontade para o seu povo. Nenhum homem decente permitiria nem mesmo que um cachorro sofresse no fogo, a não ser que o seu dono lhe pagasse cinco dólares para soltá-lo dali. A intolerância na transação financeira para que uma alma possa ser solta, e às vezes transações financeiras durante um longo período de tempo, indica claramente o propósito sinistro para o qual a doutrina do purgatório foi inventada. O fato explícito é que se o purgatório fosse esvaziado de todas as almas sofredoras, admitindo-as ao céu, haveria muito pouco incentivo para o povo dar dinheiro aos padres”.


[Claro que a ICR não é tola a ponto de esvaziar a sua mina de ouro chamada PURGATÓRIO, pois, enquanto houver um crédulo católico neste mundo (e existe 1,2 bilhão desses enganados], ela continuará enriquecendo à custa dessa falácia, pela qual todos os papas, bispos e padres, enganadores do povo católico (os quais já devem estar no seu próprio lugar, como Judas), comparecerão diante do Grande Trono Branco, a fim de serem desmascarados por Cristo e pelos verdadeiros santos, que permaneceram fiéis à Palavra de Deus!]



Mary Schultze, atualizado em 2012.



Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

VOCÊ GANHOU!