quarta-feira, 20 de julho de 2011

Os Evangélicos e a Pororoca Gay

Por Robinson B. Cavalcanti, Bispo
|Colunista Convidado do The Christian Post
 
 
Vive-se sob o impacto da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em legalizar as uniões homoeróticas. Uma Assembleia Constituinte soberana, tanto na intenção como na redação, restringiu esse instituto a um homem e uma mulher. Igualmente o Código Civil.

A decisão do STF contrariou a intenção e o texto do legislador. A função legisferante é competência do Legislativo, mas as Medidas Provisórias (MP), decretos e portarias deslocam essa função para o Executivo, fragilizando a democracia. Vem crescendo essa indesejável função legisferante também por parte do Poder Judiciário, nas “interpretações”, de evidente viés ideológico.

Uma Corte de militantes é outro risco para a democracia e para a segurança jurídica dos cidadãos. Outras “interpretações” não tardarão, impondo uma camisa de força sobre a liberdade do Legislativo quanto a essa matéria, como a PLC 122, um atentado à liberdade de expressão e à liberdade religiosa. Ela foi aprovada na Câmara dos Deputados ausentes todos os deputados evangélicos, e nenhum advogado representando qualquer organização protestante se fez ouvir no STF.

Os escombros do Muro de Berlim caíram sobre as ideologias contemporâneas, e o vazio foi preenchido pela chatice do “politicamente correto” (puritanismo de esquerda), a defesa do multiculturalismo contra valores universais, a cultura da morte, o relativismo pós-moderno, e a agenda GLSTB, enquanto prospera o hedonismo consumista egoísta e alienante. Afirmei: ‘Pobre geração, que a única utopia que lhe restou foi a defesa da sodomia!’.
  • bispo Robinson Cavalcanti

A articulação internacional dos homossexuais, e das elites secularistas, foi a mais conhecida pela humanidade, com uma plataforma: descriminalização, retirada do rol das enfermidades (decisão política e não científica), legalização, paralisação dos oponentes pecha de “homofobia”, e, por fim, criminalização dos “homofóbicos”. Afirma-se o caráter natural, inevitável e irreversível dessa “orientação” (predestinação erótica).

Igrejas demoraram a perceber a nova “revolução cultural”, com um déficit de estudo sobre a sexualidade, se sentem ameaçadas e acuadas e, ou, pelo liberalismo teológico, legitimaram o homossexualismo, para a ordenação dos seus ministros e a bênção de uniões.

O que se iniciou na Europa e na América do Norte chegou ao Brasil, como sempre: “as aves que aqui gorjeiam, gorjeiam como lá”. Em 1998, votei com a maioria de mais de oitenta por cento, dos bispos anglicanos de todo o mundo, na Conferência de Lambeth, a Resolução 1.10, afirmando a sexualidade como um dom de Deus, a ser exercitada no matrimônio heterossexual monogâmico vitalício, reconhecendo vocações especiais para o celibato, e a existência de pessoas com tendências homoeróticas, a serem acolhidas e escutadas pastoralmente, sob o princípio de ser a sua prática contrária ao ensino das Sagradas Escrituras. Os Cânones da Diocese do Recife acolheram esses princípios, A Crise do Anglicanismo é, em muito, decorrente da rebelião da minoria contra essa Resolução. Em carta-aberta ao Senado, defendi a dignidade de toda pessoa humana, os direitos civis de todos os cidadãos, a liberdade de expressão, a liberdade religiosa e a posição contrária à criação de um ente familiar homoerótico e à criminalização dos heterossexuais que não aceitam a normalidade do homossexualismo (heterofobia). Tenho afirmado que todo discurso científico é uma descrição da natureza caída (depravação total), que a inclinação/tentação homoerótica é uma das manifestações da Queda, uma enfermidade espiritual, um desvio de conduta, um pecado, como tantos outros, que demanda, igualmente, arrependimento e novidade de vida.

O sangue de Cristo lava todos os pecados, e o poder do Espírito Santo, pela igreja como comunidade terapêutica, ou pelos instrumentos científicos disponíveis, pode fazer nova todas as coisas, transformando à imagem do caráter de Jesus. Fui tachado de “retrógrado” e “homofóbico”. Seria discriminatório com os homossexuais se os tratasse de forma diferente dos demais pecadores.

Não querem ser considerados pecadores, celebrando o “orgulho” da sua condição em “paradas” financiadas com o dinheiro do contribuinte, qualquer que seja o partido nas diversas esferas do poder estatal. Além do ensino e da pastoral interna, temos um mandato cultural, a necessidade de evangelizar a cultura, o dever de expor e propor os direitos e os deveres naturais, os valores do Reino e a busca do bem-comum na esfera pública, o exercício do profetismo, a pecaminosidade universal e a possibilidade universal de perdão, reconciliação, conversão e santificação.

Devemos pregar nos templos, e nos espaços públicos (os “areópagos”), o que as Escrituras ensinam, e o consenso dos fiéis o entendeu por dois mil anos. Não podemos aceitar o veto do espírito do século, ou revisar conceitos (não preconceitos), “humanizar Deus”, buscando respeitabilidade, ou abandonar os ex-homossexuais. As “pororocas” da História passam. A Igreja permanece. O “evangélico” protestantismo, já não é tão amplamente “evangélico” assim. Além do fundamentalismo, o liberalismo é um desafio concreto.

Edward Robinson de Barros Cavalcanti (Recife, 21 de junho de 1944) é um teólogo, Cientista Político e bispo da Igreja Anglicana do Cone Sul da América, comandando a diocese de Recife. É professor universitário aposentado da UFPE e UFRPE e possui treze livros escritos sobre religião. Em 1997 foi eleito bispo da diocese de Recife. Como bispo diocesano, ordenou 103 diáconos e 87 presbíteros.


Fonte: http://portuguese.christianpost.com/noticias/20110714/os-evangelicos-e-a-pororoca-gay/

Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

VOCÊ GANHOU!